sábado, 29 de janeiro de 2011

Amizade de alma

Hoje fiz o que há tempos não fazia.
Parei algumas horas pra ler na internet o blog de alguns amigos, parei alguns minutos para ler artigos da Martha Medeiros (costume que não perco) e estou até agora refletindo sobre algumas muitas amizades que nasceram via internet, outras pessoalmente mas que por intempéries (de onde tirei essa palavra? ^^ hahaha) ficaram pra trás. Digo, estão guardadas em um canto da alma, sim da alma porque amigos ficam tatuados na alma, pra sempre, eles não se perdem. Podem estar longe, mas jamais morrerão.
Bateu saudade.
Uma saudade de pessoas que amei e que pensando bem ainda amo demais, mas que por motivos de mudança de cidade, troca de faculdade, emprego, casa... ficaram longe do abraço, do beijo estalado no rosto das risadas e das conversas bobas. E que fazem uma falta tremenda.
Então cliquei no blog de uma dessas pessoas que tanto sinto a falta. www.flavioboff.blogspot.com e re-li um de seus textos que foi inclusive publicado nas páginas do jornal em uma de suas lindas colunas.
Ele falava, melhor, escrevia (o que faz extremamente bem!) exatamente sobre esses amizades que se vão fisicamente mas ficam emocionalmente fazendo parte da gente.
Queria eu ter o dom de trazer a convivência desses amigos de volta.
Senti uma falta tremenda da Samantha, da Duda e do zebu e de outros tantos. Lembrei da banda e dos amigos que deixei lá no estúdio por achar que cantar não era futuro. E agora neste exato momento chorei por relacionar nomes de pessoas que eu prometi jamais deixar, mas que eu deixei. Pessoas que me são importantes. Que fizeram parte da minha vida e que inconcientemente ainda fazem. Eu quero meus velhos momentos de volta.
Mas sei que não posso ter o tempo que passou.
Posso é ligar o celular antigo e localizar o telefone deles, reviver pelas fotos do orkut alguns momentos e trocar scraaps ou e-mails para encurtar a distância que cresce sem que possamos impedir.
Engraçado como as coisas são.
Eu pensando nos amigos distantes, procurando noticias e lendo blogs e lá em uma das postagens do Flávio surge o mesmo incentivo, a mesma necessidade de expressar a saudade dos amigos que o tempo separa mas não tem poder de apagar.
Amigos que são gravados na alma em cima de pedra e não no coração como pegadas na areia.

Um comentário:

Iara Rodriguez disse...

Amigos são a familia que temos o privilegio de escolher...
Tem um selinho la no meu blog pra vc passa pra pegar
beijoo